News

BaaS: A transformação do mundo bancário

Na Coinscrap Finance, praticamos o que pregamos quando se trata de transformar o setor financeiro usando tecnologia. O chamado Banking as a Service (BaaS) é um modelo de negócios inovador que tem um enorme potencial para mudar o cenário da banca tradicional. Neste artigo, comentaremos suas principais características e faremos algumas previsões para o futuro.

Sumário

O termo BaaS ou Banking as a Service refere-se à capacidade que as empresas e FinTech têm de oferecer serviços financeiros por meio de APIs (interface de programação de aplicativos) bancárias. Esses aplicativosplug and play" aproveitam a infraestrutura das instituições para fornecer aos usuários finais uma variedade de produtos, como cartões de crédito, contas correntes ou empréstimos. Tudo pela internet e no momento em que precisarem.

Uma aliança que promove o avanço e a inclusão financeira

Esse sistema promove a colaboração entre FinTechs e bancos tradicionais, o que se traduz em uma melhoria na experiência do consumidor. Dessa forma, ele pode desfrutar de uma gama mais ampla de opções ao contratar um produto e a oferta é hiperpersonalizada. Além disso, graças ao BaaS, as FinTechs se concentram na inovação e na criação de UX de ponta, sem se preocupar com a infraestrutura bancária subjacente.

Imagine a aceleração que isso representa para o setor financeiro! Por isso, estão sendo feitos avanços importantes em períodos muito curtos de tempo. Um dos mais importantes é a democratização do acesso aos produtos bancários. Uma parte significativa da população mundial não tem acesso ao sistema financeiro.

Ao eliminar barreiras e simplificar os processos de entrada, as empresas podem alcançar segmentos tradicionalmente excluídos. Apesar do que possa parecer, o fato de os serviços serem oferecidos por meio de canais digitais e móveis facilita o consumo para esse grupo, graças à penetração dos smartphones. Dessa forma as pessoas desfrutam de maior autonomia e controle sobre suas finanças domésticas..

Mudanças rápidas e totalmente seguras: FinTechs se blindam com o BaaS na Europa

Em termos de segurança e conformidade regulatória, o Banking as a Service (BaaS) também apresenta múltiplas vantagens na Europa. Ao aproveitar a infraestrutura bancária existente, as fintechs se beneficiam dos rigorosos sistemas de segurança e das práticas legais dos bancos, o que proporciona maior confiança tanto aos consumidores quanto aos reguladores. A segurança e proteção de dados sensíveis estão sob controle o tempo todo.

Além das medidas de segurança estabelecidas pelos bancos, os serviços BaaS estão sujeitos a regulamentações específicas na Europa. Por exemplo, o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) e a Diretiva de Serviços de Pagamento (PSD2) são dois marcos legais chave que garantem a segurança nas transações financeiras.

Além do cumprimento normativo, as empresas fintech que oferecem serviços de Banking as a Service devem respeitar regulamentações específicas se operarem fora da União Europeia, estando sujeitas a auditorias e controles externos. Isso inclui a implementação de medidas de segurança para proteção de dados, prevenção à lavagem de dinheiro e conformidade com regras contra o financiamento do terrorismo.

O auge do Banking as a Service no México

No cenário global da inovação financeira, o México emergiu como um protagonista destacado. No México, o avanço do Banking as a Service ou BaaS tem sido alinhado com a crescente onda de inovação fintech que vem ganhando impulso desde 2016. 

Com um impressionante crescimento líquido de 18%, o México consolidou sua posição como líder incontestável na América Latina em relação à inovação financeira, abrigando um total de 394 startups, de acordo com o recente relatório "Fintech 100" apresentado pela firma de consultoria KPMG. 

Esse crescimento reflete a rápida e precisa adaptação do mercado às soluções de BaaS no México. Este modelo de negócios permite uma maior diversidade de serviços financeiros, maior eficiência e um acesso mais amplo à tecnologia financeira para a população mexicana, contribuindo para o avanço e a modernização do sistema financeiro do país.

O cliente em primeiro lugar: Banking as a Service, sempre e em todos os canais

A personalização é para o ambiente digital o que a agência é para o mundo físico: uma forma dos bancos interagirem com o cliente. Em vez de apertos de mão e café, trata-se de conhecer os clientes bem o suficiente por meio de dados para antecipar suas necessidades e envolvê-los em tempo real por meio de vários pontos de contato.

Saiba mais sobre os benefícios da personalização no setor bancário

Graças ao BaaS, muitos bancos embarcaram nessa jornada, usando dados para criar conexões emocionais com os clientes. Novos segmentos são identificados e são criados processos de integração simples e experiências centradas no usuário. E tudo isso é graças à colaboração com empresas fintech. A adoção de novas tecnologias e plataformas derruba barreiras internas que pareciam intransponíveis!


Os dados são fundamentais para identificar clientes em potencial, personalizar sua experiência e promover um relacionamento próximo e duradouro. No entanto, os bancos lutam com a qualidade dos dados, a estrutura, a disponibilidade, etc., para desbloquear todo o seu potencial. Nessa luta, eles também contam com as fintechs, especialistas em enriquecimento de dados.

Focar no ciclo de valor para atrair, envolver e reter

Conforme indicado pelo CTO da Akoya USA: "O ingrediente secreto para o uso eficaz de dados é eliminar o ruído e observar os padrões dos clientes para entender suas necessidades ou pontos fracos". O executivo afirma que as instituições "precisam expandir as fontes de dados e melhorar as capacidades de aproveitamento para ir além da desordem e encontrar o que mais importa para as pessoas".

Os clientes já estão acostumados aexperiências hiperpersonalizadas e fluidas em suas outras interações digitaise esperam o mesmo de seus bancos. No entanto, muitos CEOs ainda estão buscando estratégias de envolvimento multicanal voltadas para públicos gerais, o que resulta em processos de integração que não são concluídos e na deterioração da imagem da marca.

Os CTOs devem liderar os esforços de coordenação para coletar, agregar e enriquecer os dados dos usuários. Dessa forma, os percursos dos clientes são mapeados e suas necessidades são antecipadas. Suas experiências são reais e valiosas, independentemente do canal. Muitas empresas fintech estão aproveitando essas metodologias para transformar o crescimento em lucratividade sustentável e fidelidade de longo prazo.

Na pesquisa da Capgemini’s "Voz do Cliente 2022" survey…

75% das pessoas disseram que os serviços rápidos e econômicos das fintechs as motivam a considerar deixar seu banco atual.

E é que seus desenvolvimentos são mais acessíveis e fáceis de usar. Mas não se trata de uma competição, ambos –instituições e startups– podem se beneficiar dos novos gostos do consumidor.

Saiba mais sobre seus benefícios...

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossas últimas notícias diretamente na sua caixa de entrada.