News

Estado atual da regulação do open banking no mundo

O surgimento das novas tecnologias trouxe consigo a criação de novos sistemas e formas de fazer negócios no setor financeiro. Uma das ferramentas mais utilizadas nos últimos anos é o open banking.

Sumário

O que é o open banking

Open banking é entendido como a liberação do acesso aos dados e contas dos clientes. Com este sistema, as informações financeiras são compartilhadas com o consentimento do cliente, facilitando o acesso às entidades financeiras para a avaliação de risco de um cliente.

Dessa forma, promove-se a competição entre bancos e empresas, concedendo controle aos clientes sobre seus dados e decisões.

Regulação do Open Banking ao redor do mundo

O uso desse novo sistema apresenta diferenças importantes dependendo do local do mundo onde se destina a ser utilizado. As diferenças encontram-se principalmente nos seguintes aspectos

  • As entidades e os produtos que afecta. Podem ser exclusivamente bancos ou outros tipos de entidades financeiras.
  • O tipo de informação. Refere-se aos dados a que terceiros poderão aceder, tais como informações sobre transacções ou dados estatísticos. Tudo isto sempre com o consentimento do cliente.
  • Tipo de operações incluídas. Por exemplo, pagamentos ou a contratação de novos produtos.

Além disso, existem diferentes abordagens a aspectos como a segurança, o formato dos dados ou a experiência do utilizador, consoante o país em que nos encontramos.

Europa

O principal regulamento relativo à banca aberta é a Diretiva Europeia de Serviços de Pagamento revista (DSP2). Este regulamento obriga os bancos e os fornecedores de moeda eletrónica a partilharem os seus dados relativos a transacções e pagamentos com terceiros.

As entidades afectadas podem desenvolver APIs bancárias que devem ser aprovadas pelas autoridades, mesmo que não sejam normalizadas.

México

No caso do México, é a Lei da Tecnologia Financeira (Lei Fintech) que inclui praticamente todas as entidades financeiras e dados sobre produtos e transacções. No entanto, estes dados não incluem as operações de pagamento.

Austrália

A regulamentação australiana da banca aberta encontra-se no Data Consumer Rights Act. Este regulamento tem como objetivo exclusivamente ao sector bancário e estabelece as condições de acesso aos dados sobre transacções e produtos, bem como o desenvolvimento de API normalizadas.

Japão

No Japão, a lei bancária foi alterada para exigir que os bancos abram as API para fornecedores.

Estados Unidos

Embora o sistema bancário aberto já esteja a ser utilizado há algum tempo, o regulamento não exige que os bancos dêem acesso aos seus dadosEmbora o Gabinete de Proteção Financeira dos Consumidores dos EUA (CFPB) esteja a ponderar a introdução de alterações ao sistema bancário aberto.

Reino Unido

Em 2017, A PSD2 foi incorporada na regulamentação nacional do Reino Unido. A principal diferença neste país é que os grandes bancos são obrigados a seguir determinadas regras ao fornecer dados a fornecedores externos, de acordo com a Autoridade de Conduta Financeira (FCA).

Como se pode verificar, não existe uma forma única de implementar a banca aberta. Cada país regula e define este novo sistema em maior ou menor grau, e não é provável que esta situação se altere num futuro próximo. Estas diferenças de regulamentação, obrigações, produtos e entidades a que se aplicam criam problemas e implicações para o sector financeiro.

New call-to-action

Problemas e implicações para o sector financeiro

A diferença entre as diferentes formas de aplicação da banca aberta pode gerar alguns problemas como não existe em todos os países:

  • Controlo do tipo de empresas que podem atuar como terceiros. 
  • Regras sobre responsabilidade e resolução de litígios. 
  • Sustentabilidade dos sistemas.

Para além destes três aspectos fundamentais sobre os quais não existe unidade, é também possível que a banca aberta pode afetar a competitividade e a estrutura do sector financeiro.

Existe um Existe uma desigualdade no que diz respeito ao compartilhamento de dados financeiros com empresas que não pertencem a esse setor, mas não de forma inversa. Ou seja, empresas não financeiras podem ter acesso a dados financeiros, mas as entidades financeiras não podem acessar informações de outras empresas. in terms of sharing financial data with non-financial firms, but not vice versa. In other words, non-financial companies will be able to access financial data, but financial institutions will not be able to access the information of other companies.

Por outro lado, ao permitir a entrada de gigantes tecnológicos nos serviços financeiros, a estabilidade financeira é comprometida.

Open Banking consiste na partilha dos dados das contas dos clientes e de outras transacções financeiras com terceiros. Não existe uma regulamentação comum, pelo que há diferenças no tipo de informação e de operações, bem como nas entidades envolvidas. Na Europa, em aplicação da Diretiva PSD2 regulamentaçãoAs entidades financeiras e os prestadores de serviços monetários são obrigados a partilhar os seus dados com terceirosEnquanto nos Estados Unidos não existe essa obrigação. A banca aberta gera alguns problemas devido à falta de controlo e de regras comuns, afecta a competitividade e a estrutura do sector financeiro e pode gerar instabilidade financeira.

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossas últimas notícias diretamente na sua caixa de entrada.