News

O futuro da banca no México: Colaborações com Fintechs e Wealth Management

Nesta nova edição do Coinscrap Finance Meets, conversamos com Shanti Galván, Gerente de Produtos Digitais de Wealth do Citibanamex. Com vasta experiência no setor financeiro, ela se especializou em inovação digital. Ela é apaixonada por criar comunidades dentro do mundo das startups e conhece perfeitamente os benefícios das parcerias entre bancos e fintechs.

Sumário

O Meets começou com Juanjo Gómez, nosso CMO, interessado nos primeiros passos de Shantino setor. A executiva explicou que sua carreira antes do Citibanamex se concentrava em educação e inclusão financeira, "algo muito necessário no México", explicou. Em seu cargo atual, ela gerencia todos os aspectos relacionados à inovação bancária, tendo liderado anteriormente a área de Open Banking & Fintech Partnerships.

"Quando comecei, a disrupção na indústria estava apenas começando. Os bancos aproveitaram para acelerar a digitalização de seus processos, produtos e serviços durante a pandemia." Digital first foi o objetivo nesses anos. Segundo Shanti, houve um grande aumento nos investimentos em produtos financeiros. Durante 2023, ela viu como os grandes players estão se consolidando no mercado mexicano e, por meio de aquisições, buscando licenças bancárias que lhes permitam atuar no país.

"A inclusão financeira é o motivo pelo qual as instituições bancárias existem".

Shanti Galván - Digital Wealth Product Manager do Citibanamex

Aqui está um resumo da sessão. Esperamos que o desfrute!

A satisfação de ajudar milhões de famílias sem acesso ao banco

Juanjo então falou sobre a importância dos testes de conceito (PoC) para alcançar o sucesso quando se trata de parcerias entre entidades e fintechs. Shanti concordou e explicou como essas parcerias representam o "molho secreto" para criar produtos inovadores.

Ela mencionou que os prazos de desenvolvimento dessa tecnologia são muito mais longos quando realizados internamente no banco. No entanto, ao contar com um fornecedor de tecnologia externa, como uma startup fintech, é possível implementar uma ferramenta em poucas semanas.


"O mais interessante é que a banca varejista pode oferecer acesso a um produto específico a milhões de pessoas", afirmou. Nossa convidada também deixou claro que os bancos mexicanos priorizam ser 100% digitais. Alguns até criaram suas próprias marcas para se tornarem neobancos, capazes de competir no mercado.

Aqui está o vídeo com o webinar completo!

New call-to-action

Em direção a uma interação bancária muito mais pessoal

Shanti aproveitou para destacar a importância de personalizar cada vez mais a experiência do cliente:

"Segmentar as ofertas com base nas preferências e não enviar mensagens em massa. A chave está em atender o usuário e fazer com que o banco seja um parceiro que apresenta os serviços e produtos no momento certo da jornada do cliente."

Shanti Galván afirmou.

Juanjo então se interessou pela maneira como a tecnologia influencia a evolução dos serviços de gestão patrimonial. "Ter uma plataforma digital na qual os usuários possam visualizar sua situação financeira em tempo real e oferecer ferramentas que lhes permitam interagir", foram os dois pontos que a Gerente de Produtos de Wealth do Citibanamex nos deu sobre o assunto.

Os banco deve educá-los para que possam gerenciar corretamente seus produtos, especialmente quando se trata de investimentos, pois é necessário que o usuário mantenha seus ativos por um período mínimo. Shanti mencionou a utilidade dos módulos de gamificação como porta de entrada para o mundo dos investimentos.

Quando questionada sobre quais outras tecnologias emergentes estão chegando ao país, ela comentou que a tendência líder no momento é o open finance, pois ajuda a entender melhor os hábitos de consumo dos clientes para oferecer os melhores conselhos e ajudá-los em seu dia a dia.

Educação financeira universal: É possível através do scroll infinito?

O Citibanamex oferece cursos em seu site e também tem seu próprio festival, “Moneyfest”, que permite aprender sobre finanças facilmente. Internamente, eles buscam gamificar a experiência, "esperamos alcançar o nível da China”, brincava. Shanti quis enfatizar o papel das plataformas digitais: "Hoje, as redes sociais estão fazendo o trabalho de educação financeira que deveria ser feito pelas instituições educacionais".


Uma das mensagens que o banco está transmitindo agora é: "Poupar é bom, mas investir é melhor", para que as pessoas parem de guardar dinheiro embaixo do colchão. Juanjo comentou que as taxas de juros a 15% estarão ajudando a conseguir isso. De acordo com Shanti: "O objetivo é atraí-los e depois fidelizá-los com a experiência do usuário".

New call-to-action

O que um empreendedor deve fazer se quiser trabalhar com um banco no México?

A executiva tem uma resposta clara: é preciso entender o mercado mexicano e se adaptar ao usuário final. Entender as necessidades dos bancos e ajustar a tecnologia da startup àquela com a qual a instituição financeira trabalha. É um ecossistema maduro, então há muitos eventos nos quais fazer networking e se conhecer pessoalmente.

Infelizmente, no México "é muito difícil dizer não" e, às vezes, você terá que passar pelo filtro de muitos stakeholders antes de fechar um acordo. "É importante ter resiliência e se preparar para ciclos de vendas longos. Depois, você chegará a parcerias bastante profundas, que duram 3 ou 5 anos. É como se casar com uma instituição financeira, realmente", afirmou.

Juanjo aproveitou para fazer a pergunta que encerra todos os nossos Meets:"Qual você acha que será a tecnologia que mudará a indústria fintech nos próximos anos?", e ela respondeu: "O open finance permitirá a criação de serviços que ofereçam soluções e experiências muito direcionadas e de nicho". Com essa previsão, terminamos. 

Neste artigo, analisamos profundamente o papel da banca aberta no desenvolvimento financeiro e na resiliência financeira do México.

Conclusão

Shanti Galván, Gerente de Productos Digitais de Wealth do Citibanamex, destacou o impacto transformador das parcerias fintech na banca mexicana durante nossa conversa. Ela enfatizou como essas colaborações servem como espinha dorsal para a inovação, permitindo a rápida implementação de ferramentas tecnológicas e o desenvolvimento de produtos financeiros sob medida. Galván expressou que essas parcerias não apenas aceleram a digitalização dentro do setor bancário, mas também abrem caminho para melhorar as experiências dos usuários e a acessibilidade a uma gama mais ampla de serviços, moldando assim o futuro do panorama financeiro no México.

Até o próximo Meets!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossas últimas notícias diretamente na sua caixa de entrada.