News

Humanizando as finanças: além dos números frios

Vamos imaginar por um momento que o setor bancário se apresentasse como um filme... estaríamos diante de dramas, thrillers, comédias...? Eu proponho este exercício porque as instituições tentam se conectar com as pessoas e nos lançam mensagens e ofertas - com maior ou menor sucesso - para provocar algum tipo de sentimento, como no sétimo arte. Vamos ver quais ferramentas elas têm para fazer o setor financeiro mais humano.

Sumário

Como você se sentecom seu banco? As emoções chegam ao mundo do vil metal

Seguindo a analogia cinematográfica, há muitos casos de diretores que realmente conseguem transmitir emoções com suas obras apesar de contarem com baixos orçamentos. Isso está acontecendo cada vez mais no setor financeiro. Quando nossa instituição se preocupa com seus clientes e nos ajuda no dia a dia, está gerando um relacionamento real e um sentimento de satisfação e confiança, sem a necessidade de realizar grandes investimentos.

Agora, imaginemos que o banco compreende minhas necessidades, sabe como vivo e se adapta em tempo real ao meu projeto de vida. Parece impossível? A realidade é que está tudo em minhas transações: gastos, receitas, seguros, depósitos, débitos, empréstimos... Se um depósito inesperado chegar e minha instituição se preocupar comigo, ela me recomendará que poupe ou invista, para tirar o máximo proveito desse ganho extra.

Quando, graças a esses conselhos e recomendações, eu puder fazer aquela viagem pela qual estive esperando tanto tempo, minha atitude em relação ao banco não será mais a mesma. Porque ele me ajudou! Ele contribuiu para tornar um sonho realidade, gerando uma sensação calorosa, cheia de alegria por ter alcançado meus objetivos. Você entende a diferença? Não se trata de palavras, mas de ações.

Explore o mundo das finanças comportamentais e como elas ajudam a entender os hábitos de seus clientes.

Instituições mais humanas e focadas nas pessoas

Os diretores bancários ou, como estamos vendo neste artigo, os "artistas" financeiros, podem se conectar conosco em um nível mais profundo. Ao assistir a um filme, por que às vezes choramos e outras vezes saímos frios da sala? A chave está no comprometimento desses artistas e se eles são capazes de se identificar com seu público. Com informações suficientes , meu banco pode entender meus pensamentos, preocupações e emoções. Eles só precisam prestar atenção e ter as ferramentas necessárias.

As finanças são transacionais por natureza, focando-se em números e balanços. Onde a emoção e os sentimentos se encaixam aqui? Bem, um aspecto chave para humanizar as finanças é perceber que o aspecto econômico ocupa um lugar muito importante em nossa escala de prioridades. Vincular como nos relacionamos com o dinheiro e como vivemos nossas vidas permite às instituições criar uma experiência de usuário única.

Inovação para understand conhecer melhor o cliente bancário

Já dei um exemplo de experiência bancária comprometida com as pessoas. Agora vou te contar como o histórico financeiro permite descobrir os momentos mais importantes de nossas vidas. Lembra do primeiro dia de creche do seu pequeno? Ou quando surpreendeu seu pai com uma tarde de pesca? E aquele gibi tão especial que encontrou por acaso?

As emoções estão presentes em cada operação bancária. O que as instituições precisam são de ferramentas capazes de enriquecer o dado transacional e traduzir o número em sentimento. Os números são na verdade decisões, memórias, esperanças... tudo o que nos define como seres humanos. A tecnologia nos ajuda a ler os dados e a estreitar laços.

Envolvimento emocional e finanças comportamentais

Por que cada vez mais bancos estão aplicando princípios de economia comportamental em sua estratégia de negócios? Porque foi comprovado que para superar seus vieses cognitivos, os usuários precisam de um pequeno"empurrão"(ou nudge, como descreveu o Prêmio Nobel de Economia, Richard H. Thaler). Esses empurrões podem ser alertas programáveis de vencimento de seguros, conselhos personalizados sobre poupança ou informações pontuais sobre consumo energético, por exemplo.

Oferecer dados aos clientes para gerenciar suas finanças é um compromisso por parte dos bancos. Por um lado, garantem o acesso a um conhecimento que os usuários precisam para melhorar sua saúde financeira. Por outro lado, permitem que os clientes bancários tomem decisões informadas sobre suas vidas. Os desenvolvimentos que algumas instituições estão integrando, graças à sua colaboração com fintechs, conseguem materializar este compromisso emocional e garantir relacionamentos mais duradouros entre empresas e usuários.

Que filme você quer ser para seu cliente financeiro?

A rapidez, transparência e flexibilidade exigidas pela indústria financeira parecem não ter limites. É hora de usar a tecnologia ao seu alcance para se destacar entre a concorrência e se tornar um filme cult. Seus usuários precisam de ajuda para alcançar suas metas e você só poderá oferecê-la se entender qual é sua situação atual. Por isso, é necessário que você tenha ferramentas que integrem inteligência artificial, aprendizado de máquina e processamento de linguagem natural.


Usando essas tecnologias, o dado transacional ganha sentido e você descobre o sentimento por trás de cada operação bancária. A chave está em categorizar e enriquecer essa informação -que o usuário lhe oferece-, para poder descobrir insights financeiros com os quais hiper personalizar suas comunicações, produtos e serviços. Humanizar as finanças está ao seu alcance, não apenas você conseguirá melhorar a Experiência do Cliente (CX), mas também estabelecerá um relacionamento sólido e duradouro com seus clientes.

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossas últimas notícias diretamente na sua caixa de entrada.