News

Economia Comportamental: O que é e como influencia o usuário digital?

O processo de tomada de decisão está presente em nossa vida cotidiana. Tradicionalmente, ele foi considerado como sendo racional, mas a economia comportamental trouxe uma nova forma de entender o processo de tomada de decisão dos indivíduos, descobrindo outros fatores que podem influenciar nos resultados finais.

Sumário

A economia comportamental, também conhecida como economia comportamental, foca na análise do porquê, ao tomar decisões econômicas, as pessoas não são inteiramente racionais, mas são influenciadas por elementos psicológicos, cognitivos ou sociais.

A economia comportamental pode se manifestar em muitos casos. Por exemplo, quando uma pessoa considera comprar um determinado produto, é bastante comum que ela não pesquise todas as opções e características, pois ela comprará aquela que uma pessoa próxima a ela usa ou recomenda.

Além disso, quando um indivíduo está pensando em comprar produtos de outra empresa na qual ele geralmente confia, ele tende a não fazer isso se essa decisão tiver alguma consequência. Isso acontece frequentemente com empresas que incorporam cartões de fidelidade, pois muitos consumidores preferirão continuar com suas compras para não rejeitar os benefícios do cartão.

Outro exemplo de economia comportamental pode ser encontrado no bom tratamento dos clientes pelo vendedor em uma loja. Comprar produtos proporciona uma satisfação muito a curto prazo, de modo que a atenção positiva (comportamento agradável ou detalhes da loja durante a compra, por exemplo) tem uma influência muito maior no cliente, que se tornará fiel à loja e a recomendará por causa da boa experiência.

Sentimentos e comportamentos negativos em relação ao cliente também desempenham um papel muito importante neste aspecto. Por exemplo, se um vendedor interrompe um cliente no meio de uma conversa para atender a um telefonema, este último sentirá indiferença e falta de atenção, sendo muito provável que ele saia do estabelecimento e faça compras em outra loja.

A economia comportamental estudada por Daniel Kahneman e Richard Thaler (Nobel de economia)

Ao aprofundar no campo da economia comportamental, duas teorias importantes e reconhecidas se destacam: a de Daniel Kahneman e Richard Thaler.

A visão de Daniel Kahneman

La teoria de Daniel Kahneman se concentra na existência de dois sistemas cognitivos:

  • Sistema 1: Este sistema é caracterizado por possuir uma natureza irracionale por influenciar em grande parte das decisões tomadas no dia a dia.
  • Sistema 2: Ao contrário do anterior, este sistema é racional e foca-se em estudar os pensamentos irracionais com o objetivo de tomar decisões.

Para que a tomada de decisões seja o mais adequada possível, é necessário que haja uma parte racional e outra irracional, ou seja, ambos os sistemas cognitivos devem estar equilibrados e compensados.

A visão de Richard Thaler

Richard Thaler foi reconhecido com o Prêmio Nobel de Economia em 2017. Sua teoria sobre a economia comportamental é baseada no fato de que, muitas vezes, as pessoas não são capazes de tomar decisões corretas, e por isso precisam de um incentivo que Thaler chama de "empurrão" (em inglês, "nudge") para ajudá-las a fazê-lo.

Um exemplo desta teoria é a maneira como os produtos são distribuídos em um supermercado. Se deseja-se incentivar o consumo de determinados bens eles serão colocados estrategicamente para serem vistos imediatamente, exercendo essa influência que ajuda na decisão final de compra.

Então, os indivíduos não tomam decisões de forma racional?

Na economia clássica, tem sido interpretado que os indivíduos tomam decisões de forma totalmente racional. No entanto, dadas as contribuições da economia comportamental, tem sido demonstrado que, na maioria dos casos, isso não é inteiramente verdadeiro, já que a psicologia desempenha um papel fundamental na tomada de decisões.

Em muitas situações, as pessoas não escolhem o que seria mais conveniente, pois certas preferências e restrições estão envolvidas , o que torna a decisão final uma ou outra.

Seu impacto psicológico na economia atual

Tradicionalmente, dentro do campo de investimentos, sempre se assumiu que as pessoas gastam dinheiro com base em pensamento racional. Estudos sobre economia comportamental têm mostrado que muitas decisões são condicionadas por fatores pessoais e pelo risco que se está disposto a correr, bem como por certos aspectos socioeconômicos.

Graças a Thaler, , observou-se uma mudança na percepção da economia e em como os indivíduos tomam decisões. Ele mostrou que as pessoas têm prioridades muito influentes ao tomar grande parte de suas decisões, limitando a racionalidade e mostrando uma clara falta de autocontrole por uma grande parte da sociedade.

Controvérsias dentro da finança comportamental

Apesar de Richard Thaler ter recebido um Prémio Nobel da Economia pelas contribuições feitas na sua teoria, há economistas que não estão totalmente de acordo com o que ela afirma. Um deles foi Merton Miller, que afirmou que, embora muitas vezes a psicologia influencie a tomada de decisões, não é um aspecto de grande importância nas finanças.

As finanças comportamentais sempre foram um conceito bastante discutido e criticado por muitos ramos da economia. Apesar dos argumentos que estes indivíduos apresentam, é inegável que uma grande parte das decisões tem algum tipo de influência provocada por fatores cognitivos, sociais ou psicológicos.

A economia comportamental valoriza que, no processo de tomada de decisões , influenciam aspetos alheios à racionalidade. Isso foi apoiado por teorias de autores como Daniel Kahneman e Richard Thaler, apesar de também existirem muitas críticas a este pensamento.

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossas últimas notícias diretamente na sua caixa de entrada.