News

Inovação e inteligência artificial: Precisamos de um quadro regulatório?

A IA continua a revolucionar a forma como interagimos com a tecnologia e abre um mundo de possibilidades em diversos campos, desde a medicina até à indústria financeira. No entanto, o seu avanço também coloca desafios em termos de proteção de direitos e regulação. Neste artigo, mencionarei vários exemplos recentes relacionados com a defesa da propriedade intelectual que me fizeram refletir sobre a futura Lei da IA. Vamos começar!

Sumário

Óscar Barba

Cofundador e CTO da Coinscrap Finance

The New York Times toma medidas legais contra OpenAI e Microsoft

Recentemente, o jornal de renome internacional apresentou um ação judicial contra os gigantes da tecnologia, alegando violação de direitos de autor. @nytimes acusa estas empresas de cópia ilegal de milhões de artigos para treinar os seus serviços de inteligência artificial, como o ChatGPT. Esta ação judicial é muito significativa, porque é a primeira vez que um meio de comunicação social dos Estados Unidos enfrenta as marcas mais reconhecidas no domínio da IA.

O Times afirma que a utilização ilegal do seu conteúdo ameaça a sua capacidade de prestar os seus serviços de informação e que A OpenAI e a Microsoft estão a aproveitar-se do investimento do jornal em jornalismo de qualidade sem a sua autorização. Além disso, observa que as ferramentas de IA geradas por estas empresas imitam de perto o conteúdo do Times e atribuem frequentemente informações falsas ao jornal. Esta violação dos direitos de autor não só priva os meios de comunicação social de receitas, como também contribui para a desinformação em linha.

De acordo com a declaração a que a CNN teve acesso, Diane Brayton, vice-presidente executiva e conselheira geral do The New York Times, sublinhou que a empresa reconhece o potencial da inteligência artificial generativa mas garante que o seu sucesso comercial não deve ser alcançado à custa das instituições jornalísticas. Esta ação judicial é a última de uma série que tenta impedir a alegada "triagem" de enormes quantidades de conteúdos da Internet sem qualquer compensação.

Os meios de comunicação social e Código de Negociação das Plataformas Digitais na Austrália

Por seu lado, numa ação pioneira, a Câmara dos Representantes australiana aprovou - há alguns meses - uma lei que obriga o Facebook e o Google a pagar às empresas editoriais pelos conteúdos que apresentam nas suas plataformas. Esta lei estabelece um mecanismo de arbitragem que permite aos meios de comunicação social negociar com as grandes empresas tecnológicas uma compensação justa pela informação que geram.

A sua aplicação foi o resultado de uma longa batalha entre os meios de comunicação social e as empresas tecnológicas. O Facebook, em particular, bloqueou temporariamente as notícias na Austrália em protesto contra esta regra, mas acabou por levantar o veto depois de o Governo ter introduzido alterações ao projeto de lei. Este regulamento tornou-se um modelo para outros países que visa também a proteção dos direitos dos jornalistas na era da IA.

New call-to-action

A regulamentação textual da inteligência artificial é realmente necessária?

Vejamos... A regulamentação da IA pode parecer uma restrição à inovaçãoMas é importante estabelecer um quadro jurídico claro e equitativo capaz de impulsionar o progresso tecnológico. A regulamentação garante que as empresas operam dentro de limites éticos e legais, o que, por sua vez, reforça a confiança dos consumidores e promove a adoção de novas tecnologias pelas empresas.

Mas é importante estabelecer um quadro jurídico claro e equitativo capaz de impulsionar o progresso tecnológico. A regulamentação garante que as empresas operam dentro de limites éticos e legais, o que, por sua vez, reforça a confiança dos consumidores e promove a adoção de novas tecnologias pelas empresas. garantir a máxima proteção dos dados que protegem em todos os nossos desenvolvimentos. As regras elaboradas pelas autoridades devem permitir que as empresas desenvolvam soluções de IA sem infringir os direitos dos outros e garantindo que os cidadãos estão a salvo de manipulação e desinformação.

Poderá estar interessado em conhecer o estado atual da regulamentação dos bancos abertos em todo o mundo.

O que é que o futuro da Direito da Inteligência Artificial nos reserva?

Sem dúvida, qualquer tipo de lei que surja sobre o assunto deve permanecer em constante evolução, devido à natureza transformadora da tecnologia. A recente aprovação da Lei da Inteligência Artificial na União Europeia é um exemplo de como os governos estão a trabalhar para proteger os direitos e valores fundamentais no contexto de novas ferramentas generativas.

É importante promover a transparência e a responsabilização, exigindo que os sistemas de IA que interagem com os utilizadores sejam identificados como tal. Enquanto empresa FinTech que desenvolve sistemas de o nosso próprio motor de IAEstamos convictos de que a futura regulamentação promoverá um ambiente em que a confiança e a segurança incentivam as empresas e os cidadãos a tirar o máximo partido da inovação.

Como é que a IA pode melhorar a experiência do usuário nas instituições financeiras

Esta tecnologia já está ao nosso serviço através dos nossos serviços bancários em linha, sob a forma de um assistente pessoal, tornando as nossas finanças mais simples. A IA simplifica tudo, desde as transacções até à aprovação do empréstimo. Graças a ela, podemos compreender melhor as nossas despesas, vendo uma classificação detalhada dos comerciantes onde consumimos, incluindo a sua geolocalização e a pegada de carbono associada à compra efectuada.

O facto de a IA conhecer os nossos gostos, preocupações e hábitos, O facto de a IA conhecer os nossos gostos, preocupações e hábitos,. Além disso, como não apresenta os preconceitos típicos de um ser humano, é capaz de dar recomendações financeiras objectivas e propostas de investimento que não são influenciadas por qualquer tipo de emoção. Mas o mais importante é que distingue todos e cada um de nós como indivíduos únicos e pode, portanto, hiper-personalizar as suas comunicações e sugestões.

Pode dizer-se que a IA não só permite tomar decisões mais informadas, mas também oferece uma atenção mais personalizada -embora possa ser difícil de acreditar-. No futuro, é essencial que os governos e as empresas trabalhem em conjunto para estabelecer um quadro jurídico claro e equitativo que impulsione a inovação e o progresso tecnológico em benefício de todos.

New call-to-action

Sobre o autor

Óscar Barba é cofundador e CTO da Coinscrap Finance. Ele é um especialista Scrum Manager com mais de 6 anos de experiência na coleta e análise semântica de dados no setor financeiro, classificação de transações bancárias, deep learning aplicado em sistemas de análise de sentimento do mercado de ações e medição da pegada de carbono associada aos dados transacionais. 

Com vasta experiência no setor bancário e de seguros, Óscar está finalizando seu Doutorado em Tecnologia da Informação Atualmente está concluindo seu doutorado em Tecnologias da Informação no campo da Inteligência Artificial. É Engenheiro e Mestre em Engenharia da Computação pela Universidade de Vigo, Mestre em Comércio Eletrônico pela Universidade de Salamanca, Certificado Scrum Manager e Gerenciamento de Projetos pelo CNTG, Certificado em Arquitetura SOA e Serviços Web pela Universidade de Salamanca. Recentemente obteve a certificação ITIL Fundamentals, um reconhecimento das boas práticas na gestão de serviços de TI.

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossas últimas notícias diretamente na sua caixa de entrada.