News

Da ilusão à realidade: Como o GeFi transforma a tomada de decisões financeiras

Hoje em dia, estamos a assistir a um espetáculo fantástico. As entidades utilizam a inteligência artificial, a aprendizagem automática e o processamento de linguagem natural para tirar coelhos da cartola. Qual é o truque? A magia das finanças generativas. Este método espantoso funde todas estas tecnologias para dar uma abordagem completamente nova ao mundo das finanças.

Sumário

GeFi é um termo que se refere a "financiamento generativo". Esta tecnologia tem um trunfo na manga: é capaz de decifrar montanhas de dados e descobrir padrões e tendências que poderiam passar despercebidos aos olhos dos mortais. Agora, em vez de dependermos apenas do nosso julgamento, as finanças generativas ajudam-nos a tomar decisões mais informadas e a fazer previsões mais exactas.

O que achas?

Óscar Barba

Cofundador e CTO da Coinscrap Finance

As aplicações práticas de financiamento generativo

Para além de compreender e gerir os riscos associados às diferentes estratégias de investimento, A GeFi optimiza a sua carteira e faz previsões. É também capaz de promover a inclusão financeira e aumentar o conhecimento da população sobre questões económicas. Pode até ajudá-lo a otimizar as suas estratégias de negociação! Mas o que mais chama a atenção é a sua capacidade de conceber produtos financeiros personalizadoscomo se estivessem a ler os nossos pensamentos.

Vejamos como é que faz tudo isso: As finanças generativas utilizam inteligência artificial e algoritmos de aprendizagem automática que se tornam mais sábios quanto mais treino recebem. Com a chegada do Big Data, a formação diária destes algoritmos no sector financeiro atinge níveis inimagináveis. Para eles, milhões de transacções são uma questão de segundos. É por isso que a precisão é tão elevada.

Bancarizar o maior número possível de cidadãos na medida do possível

Claro que, como qualquer truque de magia, a GeFi também joga com a ilusão. Uma ilusão entendida como o segundo significado da RAE:

"Esperança cuja realização parece especialmente atractiva."

As entidades estão a realizar o sonho de compreender os dados complexos gerados pelos seus clientes graças às finanças generativas. Além disso, uma vez organizados e "traduzidos", ajudam tanto o banco/seguradora como os utilizadores a atingir os seus objectivos.

Em países onde muitas pessoas vêem o seu pedido de empréstimo sistematicamente rejeitado, o financiamento generativo pode ser de grande ajuda. Graças ao acesso a diferentes fontes de informação, como os registos da Segurança Social, por exemplo, esta parte da população pode aceder a financiamentos adaptados às suas necessidades e à sua capacidade de pagamento.

Educação financeira na era da digitalização

Leonardo Becchetti, professor de Economia na Universidade Tor Vergata, em Roma, efectuou um estudo sobre impacto e obstáculos à educação financeira. Estabeleceu-se como barreiras à reputação negativa das finanças e a falta de interesse da maioria dos participantes. Estimular a curiosidade, dando à aprendizagem um sentido e um alcance concretos, seria uma solução possível.

Fornecer dados relevantes sobre a sua situação financeira, bem como conselhos e alertas em momentos de especial importância (vencimento de seguros, fim de subscrições, propostas de investimento em caso de rendimento extraordinário) pode despertar o interesse pelas questões económicas. A experiência das finanças generativas é um choque para todos nós que trabalhamos no sector.

Descubra como ultrapassar estas barreiras aplicando os princípios do Design Comportamental aos seus produtos financeiros.

Desafios quando de ligação com clientes do sector bancário e dos seguros

Algumas pessoas são preocupado com a privacidade dos dados ou simplesmente ter de falar com um bot em vez de uma pessoa quando querem comunicar com a sua entidade. Os bancos e as seguradoras sabem que a segurança dos dados é vital e utilizam todos os meios ao seu dispor para os proteger. Acima de tudo, é importante que tenham aliados estratégicos que os ajudem a manterem-se actualizados sobre os desenvolvimentos neste domínio.

O aumento das aplicações de IA generativa está a conduzir a inovações interessantes que beneficiam os consumidores. É o caso dos grandes modelos linguísticos, que permitem uma nova era de personalização, transformando as interacções digitais de cada cliente numa “digital footprint”. O que é que ganhamos com isto? Que a distância que separa uma instituição financeira do seu utilizador é reduzida.

Chegar mais perto do cliente final, mais fácil do que nunca

A Inteligência Artificial adora conversar e a sua integração com os motores de busca é afetar a forma como procuram a sua instituição financeira. O mesmo se aplica aos seus produtos e serviços. Tudo é muito mais interativo e é preciso procurar novas formas de se posicionar como líder em inovação para não perder relevância.

As novas gerações sabem mais sobre a sua empresa do que você!

Mais importante ainda, tanto a profundidade como o valor da relação aumentam com base no número de interacções digitais que tem com o seu cliente. O empenhamento do cliente dependerá do valor que essas experiências tiverem para ele. Por conseguinte, é necessário otimizar todos os pontos de contacto no seu percurso para colmatar a lacuna entre as suas expectativas e o seu produto ou serviço.

Os impactos positivos que esta tecnologia tem demonstrado em diferentes áreas não deixam margem para dúvidas: com o avanço da inteligência artificial, estas técnicas mágicas podem tornar-se ainda mais sofisticadas e precisas. Como temos acesso a dados adicionais de diferentes fontes, GeFi pode tornar-se ainda mais exato.

Sobre o autor

Óscar Barba é cofundador e CTO da Coinscrap Finance. Ele é um especialista Scrum Manager com mais de 6 anos de experiência na coleta e análise semântica de dados no setor financeiro, classificação de transações bancárias, deep learning aplicado em sistemas de análise de sentimento do mercado de ações e medição da pegada de carbono associada aos dados transacionais. 

Com vasta experiência no setor bancário e de seguros, Óscar está finalizando seu Doutorado em Tecnologia da Informação Atualmente está concluindo seu doutorado em Tecnologias da Informação no campo da Inteligência Artificial. É Engenheiro e Mestre em Engenharia da Computação pela Universidade de Vigo, Mestre em Comércio Eletrônico pela Universidade de Salamanca, Certificado Scrum Manager e Gerenciamento de Projetos pelo CNTG, Certificado em Arquitetura SOA e Serviços Web pela Universidade de Salamanca. Recentemente obteve a certificação ITIL Fundamentals, um reconhecimento das boas práticas na gestão de serviços de TI.

Inscreva-se em nossa newsletter e receba nossas últimas notícias diretamente na sua caixa de entrada.